Pesquisar este blog

domingo, 16 de março de 2014

Dualidade

Poema de Tarso Correa

Dualidade


Vamos todos de mãos dadas,
Nas noites caladas,
Procurarmos o perdido,
E sermos nós mesmos sem nunca termos sido.
No escuro nós olharmos,
Sem medo, nem segredo;
Se possível falarmos,
Sem falsidade, somente a verdade;
Felicidade? Talvez depois,
Pois todos nós somos dois.
Dois lados, duas pessoas;
E nesta dualidade, o homem voa
Sem ser ou deixar de ser
Somente ele intenso e impar
Simplesmente único ........singular,

RELICÁRIO DE SAUDADES

RELICÁRIO DE SAUDADES - POEMA DE Tarso Correa No quarto vazio, encostado a um canto, Um relicário de saudades de seis portas, Pulsava le...