Pesquisar este blog

domingo, 16 de março de 2014

Dualidade

Poema de Tarso Correa

Dualidade


Vamos todos de mãos dadas,
Nas noites caladas,
Procurarmos o perdido,
E sermos nós mesmos sem nunca termos sido.
No escuro nós olharmos,
Sem medo, nem segredo;
Se possível falarmos,
Sem falsidade, somente a verdade;
Felicidade? Talvez depois,
Pois todos nós somos dois.
Dois lados, duas pessoas;
E nesta dualidade, o homem voa
Sem ser ou deixar de ser
Somente ele intenso e impar
Simplesmente único ........singular,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...