Pesquisar este blog

sábado, 1 de setembro de 2018

REFLEXO ATEMPORAL

REFLEXO ATEMPORAL - poema de Tarso Corrêa


Sou invisível, algumas vezes;
Causo estranheza, repulsa; quase sempre,
Mas mesmo que me menosprezes;
À minha presença, teu corpo pulsa, lateja,
Em convulsões de náuseas,
Pois sou a tua parte mais carente;
A que rasteja agarrada às rédeas da tua fragilidade,
A qual escondes, mas que perto de mim, és latente,
Que queima tua face, tua alma, teu ego ardente.
Não tenho privilégios e nem preferências,
Minha companheira são minhas carências e meus sortilégios,
Sou do mundo, das ruas;
Que desvelam nuas, nossos segredos mais profundos;
Meu teto são as estrelas, as núvens;
Minha cama um papelão, um chão,
Que me absorvem, envolvem na neblina do álcool,
De um sono profundo e puro de um querubim.
A casa que moro é sem teto, a comida que como, é sobra tua;
As roupas que uso, são descartes teu;
Mas meus sonhos são meus!
Este corpo fétido, roto, machucado, esfolado,
É o que sobrou de um longo passado meu.

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...