Pesquisar este blog

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

EMBOCADURA SOCIAL

EMBOCADURA SOCIAL - POEMA DE TARSO CORREA


É pouco chão para muita bunda,

Muito alfabeto para poucas cabeças,

Muito cabresto para muitos eleitores,

Muitos controles para muitas letras mortas;

São formigas nas trilhas tortas,

Seguindo hipnotizadas pelos seus coletores,

Sonhando acordados sonhos que os favoreça,

Carregando nas costas corcundas,

O peso do flagelo da ignorância,

De um mundo sem oportunidades,

De uma vida mesquinha em desalinho,

Limitada, atolada;

Da infância à velhice mergulhada na passividade,

Em plena anulabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...