Pesquisar este blog

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

EMBOCADURA SOCIAL

EMBOCADURA SOCIAL - POEMA DE TARSO CORREA


É pouco chão para muita bunda,

Muito alfabeto para poucas cabeças,

Muito cabresto para muitos eleitores,

Muitos controles para muitas letras mortas;

São formigas nas trilhas tortas,

Seguindo hipnotizadas pelos seus coletores,

Sonhando acordados sonhos que os favoreça,

Carregando nas costas corcundas,

O peso do flagelo da ignorância,

De um mundo sem oportunidades,

De uma vida mesquinha em desalinho,

Limitada, atolada;

Da infância à velhice mergulhada na passividade,

Em plena anulabilidade.

REFLEXO ATEMPORAL

REFLEXO ATEMPORAL - poema de Tarso Corrêa Sou invisível, algumas vezes; Causo estranheza, repulsa; quase sempre, Mas mesmo que me menos...