Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Espelhos foscos


Poema de Tarso Correa


Espelhos foscos


A tua verdade,
Espelho opaco a não refletir,
A tua realidade, visualizada, tateada, sentida, sofrida,
Vaga veracidade;
Posse de todos,
Cegos, mas não mudos,
Que tolos pregam a única verdade,
Realidade míope de pobres surdos,
Que gritam mas não ouvem;
Rastejam no espaço limitado dos seus limites,
Tateando a pequenez da tua certeza engaiolada,
Humilhados pela dúvida dos que não creem,
No dogma da sua veridicidade violada.
Querem impor sua vontade,
Como única e irrevogável,
Simples coletânea de retalhos
De pobres espantalhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...