Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de março de 2017

Multidão Enclausurada

Multidão Enclausurada - Poema de Tarso Correa


Solidão é tudo!
Em um mundo de muitas mãos e poucos abraços;
Homens, cegos, surdos e mudos,
Definhando em seus espaços;
Somos muitos, e poucos,
Que loucos, nos encarceramos na prisão do medo,
Acorrentando neste exílio,
Sufocando em nosso degredo;
Perdidos nos nossos martírios,
De morrer sem viver,
De viver só para morrer.

A MORTE DO POETA

A MORTE DO POETA - poema de Tarso Correa A morte para o poeta não é física, E sim de sentimentos; Que se apresenta tísica, Esquelética ...