Pesquisar este blog

sábado, 22 de outubro de 2016

REFLEXO DESCONEXO

REFLEXO DESCONEXO- Poema de Tarso Corrêa

Meu corpo não é meu,
Sou sofrido nesta roupagem que não me representa,
Neste claustro que me sufoca;
A alegria que banhava minha alma se perdeu;
Alimento este segredo, perdido no degredo;
No espelho o reflexo é desconexo,
Um silêncio no vazio,
Uma alma sem corpo,
Que torto vaga nas águas da maledicência, buscando um porto;
Rasgo em dores salgadas pelos rótulos pejorativos,
Buscando desembrulhar me dos adjetivos;
Sonhando com a liberdade,
De mesclar alma e corpo,
Iluminar meu pranto,
Descobrir deste manto;
Mas o medo me acalenta,
Pelo escárnio da sociedade,
Que me abraça e toca;
Sou igual e diferente,
No meio de tanta gente.

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...