Pesquisar este blog

domingo, 14 de agosto de 2016

PAI

Pai - poema de Tarso Correa


Ai, Ai, meu pai;
Fostes embora mas ficou a saudade,
Que embaça meus olhos,
Nas lágrimas que teimam em não cair;
Da vida, foi pura maldade,
Que deixou trancada em ferrolhos,
A vontade de te ter;
Abrir o coração, te beijar,
E em teus braços me acolher.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Sentimento rasgado

Sentimento rasgado - poema de Tarso Correa

A unha cravada na carne,
Retrato do desejo de segurar o momento
Que no corpo arde;
O suor latejando na pele,
A troca de desejos reprimidos, transpirando pelos pensamentos,
Que correm em cenas desconexas;
Tudo evapora, expele
Pelas bocas, vapores, imagens de desejos,
Que o tempo não apagou;
A saudade, que comigo morou,
Emana em flashes de lamentos complexos,
Que se dissolvem no encontro das lágrimas contidas,
Reprimidas pela ausência,
Na carência do outro.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Textura de Luz

Textura de luz - poema de Tarso Corrêa

A vida é uma imersão, inversão;
Hoje, quando o até logo se aproxima,
Onde as rimas não fazem mais sentido,
Momento mais doído,
No vácuo das perguntas sem respostas,
Sentindo o peso do mundo nas costas,
Na ausência que me exponho;
Quando a penumbra envolve meus sonhos,
Que se desfazem na dependência,
Carência;
Então, tudo se ilumina pelos seus sorrisos,
Refletidos na sua retina, opaca pela catarata,
Transformando tudo, lavado pela cascata de paz,
Que toda angústia se desfaz
Acalma a alma, afaga;
Apaga a dor,
Dando cor;
Tudo pelo dom de poder ser mãe da minha mãe.

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...