Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Silêncio - poema de Tarso Correa

Silêncio

A sombra que protege teu corpo,
É a lápide do teu túmulo;
No silêncio das bocas caladas,
Não regurgitam mais escárnios;
Seus sonhos, ou apenas um mero ideal, tudo morto;
Não terás mais o estímulo;
Olhe para os lados, vês os teus vizinhos, tiveram a vida ceifada,
Pelo tempo ou desatino;
Aproveita o resto que te resta,
A solidão que lhe abraça e manifesta,
Suga a última gota deste amor letal,
E, aquieta a alma neste mundo banal.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Lágrimas secas - Poema de Tarso Correa

Lágrimas secas


Nas areias da ampulheta,
Que escorre pelo compasso da vida,
Sangramos sonhos não realizados ou esquecidos nas curvas do tempo;
Largamos as mágoas pelas sarjetas,
Dissolvemos o gosto acre da acidez do formicida,
Para não termos que reviver a dor mais doída;
Colecionamos mazelas curadas nas noites mais escuras, banhadas pelo relento,
Morremos a cada desculpa mal dada ou não falada,
Deixada, esquecida nas insônias do leito,
Lavada pelo suor do orgulho engolido no aperto do peito,
Pela lágrima não derramada, contida, sofrida dos nossos desacertos.

A MORTE DO POETA

A MORTE DO POETA - poema de Tarso Correa A morte para o poeta não é física, E sim de sentimentos; Que se apresenta tísica, Esquelética ...