Pesquisar este blog

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

A bailarina

Poema de Tarso Correa


A bailarina



Na harmonia das notas musicais,
Na ponta dos pés a pequena bailarina
Vai costurando filigranas de luz no tablado de madeira,
Tecendo redes invisíveis de pentagramas;
São rimas angelicais entre o corpo e a sonoridade,
Emaranhado simples e complexo parecendo uma singela brincadeira,
Encoberta por uma tênue neblina de som e magia;
Vai trançando os pés e meu coração,
Brincando com meus desejos mais puros impressos na retina;
Carolina, Marina, Sabrina, não importa,
É simplesmente uma menina bailarina,
Que amarrou o meu amor platônico,
No sonho que se apagou;
Quando a luz acendeu,
A realidade me escondeu,
Na cortina da vida que descerrou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...