Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Espelhos foscos


Poema de Tarso Correa


Espelhos foscos


A tua verdade,
Espelho opaco a não refletir,
A tua realidade, visualizada, tateada, sentida, sofrida,
Vaga veracidade;
Posse de todos,
Cegos, mas não mudos,
Que tolos pregam a única verdade,
Realidade míope de pobres surdos,
Que gritam mas não ouvem;
Rastejam no espaço limitado dos seus limites,
Tateando a pequenez da tua certeza engaiolada,
Humilhados pela dúvida dos que não creem,
No dogma da sua veridicidade violada.
Querem impor sua vontade,
Como única e irrevogável,
Simples coletânea de retalhos
De pobres espantalhos.

sábado, 7 de junho de 2014

Realidade Fragmentada

Poema de Tarso Correa


Realidade Fragmentada


Tem horas que não sei se estou a sonhar ou acordado,
Em transe ou se sou uma fantasia real,
Amarrada, atada no tempo que se passa,
Nesta viagem estática a caminhar sem sair do lugar;
Tudo se mistura e consome nesta dúvida letal;
Serei uma utopia, uma criação de uma demência?
Só restam dúvidas que nem sei se realmente existem;
O que sou? Quem sou?
Eu existo ou sou um reflexo, um eco desconexo;
E, mais além, eu sou eu ou você;
Neste espelho fosco em que mergulho,
Salto no vazio, neste precipício,
Em que formas físicas se misturam e se dissolvem;
Tento me desatar, me encontrar;
Descascando, desembrulhando minha alma,
Escalando os muros deste hospício,
Rasgando a alma neste suplício,
Navegando entre o real e o figurado,
Costurando o meu eu multifacetado.

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...