Pesquisar este blog

domingo, 6 de abril de 2014

Pés tortos

Poema de Tarso Correa



Pés tortos


O menino da periferia,
Conseguiu o que queria,
Sobrevivendo aos preconceitos,
Com sua carapinha oxigenada.
Driblou a vida,
Entortou os nãos,
Usou os pés e não as mãos,
Incorporou o sonho,
Concretou o passado,
A fome, as drogas e a morte.
Abriu a porta encarou a sorte,
Deixou a página virada;
Só quer o presente,futuro e uma loura oxigenada.
Tem o verbo nulo,
O pensamento travado;
Nos pés a magia, que contagia;
O que importa são seus dribles delirantes.
Para ele, a mídia nauseante,
Cordão de ouro, carro importado, dinheiro e fama.
Quer tudo e não vê nada.
Virou um deus degenerado,
Não amado, invejado, temido, querido por um tempo limitado.
Quer tudo e não vê nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...