Pesquisar este blog

quinta-feira, 17 de abril de 2014

correntes de ácido

Poema de Tarso Correa


Correntes de Ácido


Nas esquinas da madrugada,
Escondidos nas sombras da sociedade,
Nas curvas da hipocrisia,
Sob a luz amarela dos pelourinhos,
Criaturas da noite metamorfoseadas,
Desnudam suas almas peladas.
São dores contidas,
Salgadas pela maresia dos falsos carinhos;
Segredos engolidos, tragados,
Lavados por lágrimas secas.
Vida amarrada, apequenada, atalhada.
Rostos pintados, cores fortes, a esconder o olhar triste,
A marcar o caminho não seguido.
A constante presença da morte.
O corpo a venda, denegrido, puído,
Perdido nas dobras do relógio.
A alma sangrando, rasgando,
Dois seres em um, perdidos a se distanciar;
Buscando a afirmação, o necrológio;
Mas, só o que lhe resta, nada mais que a solidão,
Nem sentimentos ou razão,
Só o vazio, o frio da noite,
O açoite da indiferença,
A concretude da sentença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...