Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de abril de 2014

castidade puida


Poema de Tarso Corrêa



Castidade puida


O gosto frio do metal da navalha,
Deixa na boca o amargo sutil da presença da morte,
O talho, o corte;
É a inocência que tomba,
Deixando para traz o cadáver dos sonhos,
Caído na lama podre da cruel verdade;
O sangue quente da ingenuidade escorre e talha,
Nas impurezas do concreto que lhe consome.
É a fome,
É o medo,
A marginalização, o degredo.
A pipa dos encantos cortada pelo cerol letal,
É engolida pelas bocas do vento mortal,
Deixando ânsia do vômito
Regurgitado pelo gosto do etanol da realidade.
Resta um vago lampejo da pureza,
Que lá do fundo, buscando o ar mais puro,
Recusa a verdade despida,
Sugando o seio da fantasia perdida.
Não tem mais jeito, é apenas o fibrilar, o recusar a aceitar,
O pesadelo, a desenrolar como um novelo,
Da promiscuidade humana,
A materializar-se em atitudes insanas.
É o fim, a despedida, um bater de asas da inocência,
Que se apagou sem clemência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...