Pesquisar este blog

quinta-feira, 20 de março de 2014

Sociedade cega


Poema de Tarso Correa


Sociedade cega


Cresceu sobre um teto de lona,
A brincar com latinhas,
Pulando canaletas de esgoto,
Que desaguam na sua vida fétida;
Sem oportunidades, sem comida, sem terra...
Assim quem não erra?
Vai para a rua cheirar acetona
Sua irmã para a zona.
Cidadão sem cheiro – inexistente,
A vagar no nada, vendedor de farinha....
Sem comida
Sem terra,
Assim quem não erra?
Segue sua vida como um filme escroto,
Se matando e matando e morrendo....
A triunfar nas nulidades da sociedade.
Sem comida,
Sem terra
Assim quem não erra?
A vida passa, a vida voa,
E o menino zumbi inexistente,
Vira gente, vira estatística,
Primeiro passo o necrotério,
Acaba tudo no cemitério.
E assim termina a festa.
Sem comida,
Sem terra
Assim, quem não erra?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...