Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de março de 2014

Tempo arrastado

Poema de Tarso Correa de 01 de julho de 2013.

Tempo arrastado

Chão de terra, casa caiada,
Sino dobrando, beata rezando.
No adro, o burro pasta arrastando a cangalha.
No bar, viola geme, tem pinga no copo;
Sinhô sentando no toco, pitando seu cigarro de palha;
Conversa fiada, riso contido com graça
O tempo não passa e a vida se arrasta.
Sino dobrando para a missa chamando.
Dia que termina, neblina na serra, suor da terra.
Noite que se anuncia, céu de turmalina;
Sino dobrando para a missa chamando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sem titulos, uma forma de protesto

Poema de Tarso Correa Será que vale um rio? Será que vale uma montanha? Será que vale vidas? Vale sim um vazio, Um vale de lama, Um v...